Google declara falência na Rússia

Por Admin em

A subsidiária russa do Google anunciou sua intenção de pedir falência.

O Google vem lutando com as autoridades russas há muito tempo. Muitos problemas foram devidos à repetida violação da lei russa, pois a empresa se recusou a remover o conteúdo proibido na Rússia e impor censura forçada.

Agora a empresa tem que falir. O que isso significa para os russos comuns? Certamente será mais difícil para eles encontrar informações que não sejam estritamente controladas pelo Kremlin. Está se tornando mais difícil transmitir a eles o que as fontes ocidentais estão publicando. Os internautas russos também não poderão monetizar o conteúdo criado usando as ferramentas e plataformas do Google sujeitas a ele, como o YouTube.

Os muitos problemas do Google na Rússia

O Google já interrompeu grande parte de suas atividades comerciais na Rússia após alegações de disseminação de desinformação. Roskomnadzor decidiu que i.a. vários vídeos do YouTube alimentaram os protestos e forçaram a empresa a removê-los.

Em conexão com as alegações de Roskomnadzor, o tribunal multou o Google em mais de 7,2 milhões de rublos, o que é apenas uma das muitas sanções impostas pela Rússia. A situação atual está relacionada à sua execução pelo tribunal do oficial de justiça, que iniciou um processo contra o gigante norte-americano em maio.

Agora, um porta-voz do Google anunciou a aquisição da conta bancária da empresa pelas autoridades russas. Como resultado dessas atividades, funcionários e fornecedores podem não receber salário a operação do escritório do Google na Rússia tornou-se impossível. Atualmente, a empresa pretende requerer ao tribunal o reconhecimento da sua própria falência.
Aliás, várias ações judiciais foram movidas contra o Google, cujos demandantes são a mídia russa.

A filial russa do Google registrou perdas de 26 bilhões de rublos até o final de 2021, que é a primeira perda tão grande desde 2009.

Leitura interessante:  Final da Liga dos Campeões 2022 - como e onde você pode assistir na internet?

Fontes: Interfax, Reuters

Categorias: Blog